Home
Notícias
Agenda
Opinião
Parlamento
Deputados e Autarcas
Jovens Estudantes
Documentos
Multimédia
Arquivo
adere.gif
Concelhos
Coimbra
Condeixa-a-Nova
Figueira da Foz
Lousã
Miranda do Corvo
Montemor-o-Velho
Soure
Newsletter







Essa pieguice chamada confiança PDF Imprimir e-mail
12-Out-2012

pureza.jpg José Manuel Pureza

Em quem podemos confiar? Esta pergunta é a indignação do tempo presente sob a forma interrogativa. Ela dá voz a uma das dimensões mais angustiantes daquilo a que chamamos crise: a perda, um atrás do outro, de todos os suportes de confiança que davam o mínimo imprescindível de previsibilidade e de estabilidade às nossas vidas. A confiança é uma das principais vítimas desta crise. Dizem-nos que agora é assim, que tem mesmo que ser assim. São loucos.

Pode um reformado confiar num Governo que lhe nega a reforma para a qual descontou durante uma vida inteira de trabalho? Que confiança pode um trabalhador ter num Estado que, contra todas as leis - as dos códigos e as do bom senso - decide de um momento para o outro retirar--lhe dois meses de salário? Os fins justificam os meios, dizem-nos: se "cumprir as metas" colide com os poucos direitos de quem pouco tem, pois afastem-se os direitos e ignorem-se as garantias dadas. Mas de novo irrompe a pergunta: em quem podemos confiar se as metas que justificam a súbita alteração das nossas vidas são todas rasgadas e foram todas mal calculadas? Dizem-nos que confiemos porque nos mudam as vidas para diminuir a dívida, só que a dívida cresce cada vez mais - em quem podemos confiar?

Não é certamente no FMI. E não é por má vontade ideológica, é mesmo por incompetência deles. O FMI estimava que o efeito de um corte na despesa pública ou de um aumento dos impostos de um euro geraria um impacto negativo de cerca de 0,5 euros no PIB. Fez todas as contas nessa base, destruiu as nossas vidas nessa base, trouxe para a troika os seus modelos de formatação das economias nessa base. Mas agora estima que esse impacto negativo esteja entre 0,9 e 1,7 euros, algo entre o dobro ou o triplo da base das suas contas.

Talvez valha a pena lembrar que o erro do modelo teórico do FMI relativamente aos multiplicadores orçamentais já vem dos anos oitenta. E que todos os programas de ajustamento estrutural desde então aplicados na Ásia, na África, na América Latina e agora na Europa se fundamentaram nesse mesmíssimo modelo que está errado, destruindo vidas e economias. E vale a pena sobretudo lembrar que depois de o FMI ter batido em retirada do Brasil ou da Argentina, o crescimento destas economias atingiu taxas extraordinárias. Enganasse-me eu na soma das pontuações do exame de um aluno e teria de corrigir a nota, ficando sujeito a processo disciplinar. Enganasse-se o funcionário bancário na contagem das notas de um depósito e teria de repor a diferença do seu próprio bolso. Pois exijamos ao FMI a mesma responsabilidade. Enganou-se nas contas? Pois então reponha tudo o que por sua incompetência e irresponsabilidade destruiu.

O que está diante de nós é muito simples: por cada euro poupado pela austeridade perdem-se entre 90 e 170 cêntimos, e eles vão ter de ser recuperados. A troika responderá: mais austeridade porque não é o modelo que está errado, é a realidade que é teimosa. Teimosos, criminosamente teimosos, são os que sabem que a sua prescrição está errada e mesmo assim insistem em sujeitar sociedades inteiras a ela. Que pelo meio fiquem milhões de vidas destruídas é um efeito tão colateral como as vítimas de uma bomba de fragmentação no Afeganistão. Em quem podemos confiar?

Eu confio em quem me diz a verdade. E sei que, se agora já não há quem discorde de que a renegociação da dívida é um imperativo e que a austeridade destruirá a economia, houve quem sempre o tenha afirmado e quem o catalogasse de irresponsável. Estes últimos defendiam o rigor das contas do FMI. Não são gente confiável.

Diário de Notícias, 12 de Outubro de 2012



 

» Sem Comentários
Não existem comentários disponíveis.
» Submeter Comentário
Email (o endereço de email não irá ser publicado)
Nome
Título
Comentários
 caracteres restantes
Captcha Image Regenerate code when it's unreadable
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
banner_facebook.jpg
muppi_setembro.jpg
viruss0201.jpg  
 
banner-simulador.jpg
capajornaljunho1.jpg
 
bannercp11.jpg
esquerda51.jpg
 
brochuraestudantes.jpg
participa.jpg

esquerda.png
site_be.png
grupo_parlamentar.png
global.png
blocoartv.jpg
flickr.jpg 
Online

© 2017 Site Distrital de Coimbra - Bloco de Esquerda
Joomla! is Free Software released under the GNU/GPL License.